O gás etileno e o amadurecimento de frutas, vegetais e hortaliças

O gás etileno e o amadurecimento de frutas, vegetais e hortaliças

Em resumo, etileno é um fito-hormônio produzido naturalmente pelas plantas, é gasoso, incolor, e atua no desenvolvimento e amadurecimento de flores, frutas, vegetais e hortaliças.

Essa substância é produzida em vários locais das plantas, distribuindo-se por difusão, e pode ser estimulada por fatores de estresse na planta, bem como pelo amadurecimento.

Esse gás contribui para o rompimento das fibras dos frutos, deixando-os mais macios, e também para a quebra do amido, resultando nos sabores mais adocicados desses alimentos.

Veja mais sobre o que é o etileno, como é produzido, sua história e usos.

Efeitos em frutas, vegetais e hortaliças

Germinação

O etileno, juntamente com outros hormônios, age na interação das sementes com a luz, contrapondo-se ao efeito inibitório do ácido abscísico na germinação, porém em algumas espécies é incapaz de parar a dormência. Ainda assim pode estimular a germinação de sementes não dormentes.

Em certas concentrações pode mudar o padrão de crescimento nos primeiros estágios de germinação, aumentando o crescimento horizontal, permitindo à planta encontra no solo melhores condições.

Várias plantinhas germinando

Abscisão (queda)

A abscisão é a queda tanto de folhas, quanto de frutos e flores de uma planta. Essas quedas ocorrem naturalmente com o propósito de reproduzir ou fertilizar as plantas; ou podem ocorrer prematuramente como mecanismo de defesa.

Através do estímulo da síntese da enzima que degrada a membrana exterior das células vegetais, há a inibição de sais e água para a folha, fazendo com que sua queda traga o mínimo possível de prejuízo para a planta.

Inicialmente se acreditava que o ácido abscísico era o hormônio que estimulava a abscisão (que originou o nome desse hormônio). Hoje em dia sabe-se que o etileno, agindo em conjunto com as auxinas, são os responsáveis pela regulação da abscisão.

Ilustração mostrando o etileno induzindo a abscisão de uma folha
Processo de indução à abscisão de uma folha pelo etileno

Senescência

O etileno induz também a senescência das plantas, ou seja, o envelhecimento biológico e todo o conjunto de deteriorações graduais que ocorrem ao longo desse processo.

Os sinais da fase de senescência são, antes da abscisão das folhas e flores, a alteração de suas cores, geralmente para tons amarelados, amarronzados ou avermelhados.

Foto de uma planta seca

Amadurecimento dos frutos

Esse fito hormônio é produzido durante a maturação, fazendo reduzir as características das frutas “verdes”, reduzindo o sabor amargo, diminuindo a acidez e mesclando com sabores mais adocicados, resultando em frutos mais agradáveis ao paladar.

As cores também se acentuam, aumentando os tons de vermelhos, laranjas e amarelados (através dos carotenoides) e os tons vermelhos, arroxeados e azuis (através de antocianinas).

Galho de morangueiro com morangos em vários estágios de amadurecimento, doa verdes aos maduros

Outros

– Estimula a epinastia, curvatura dos galhos ou folhas para baixo

– Induz o aumento da respiração climatérica em algumas frutas, o que causa uma liberação extra de etileno

– Estimula o movimento autônomo de crescimento da planta em busca de pontos de apoio

– Inibe o fechamento de estômatos e crescimento de brotos. Porém o oposto ocorre em algumas variedades de arroz e plantas aquáticas ou de ambientes inundados

– Induz o crescimento de raízes adventícias (raízes que se originam não de outra raiz, mas de outro órgão, geralmente o caule) durante inundações

Amadurecimento

Nessa etapa o fruto está completamente maduro e torna-se mais agradável ao paladar, mais saboroso e com odores específicos, que se desenvolvem juntamente com alterações e aumentos de água, ácidos, minerais e açúcares. Porém são definidos três “tipos” de maturação, são eles:

Maturidade horticultural/comercial

É quando o fruto, o vegetal, atinge a fase onde possui os pré-requisitos considerados para ser utilizado pelos consumidores, para um determinado propósito. Este ponto é totalmente relativo, pois pode se referir a qualquer estágio do desenvolvimento.

Maturidade fisiológica

É o estágio onde as plantas atingem o tamanho e crescimento máximos, como quando vemos uma fruta completamente desenvolvida no pé e ela se desprende com pouca pressão. Está ligado ao estágio biológico final das plantas, e é sempre seguido pela senescência.

Maturidade da colheita

Também depende do propósito para o qual será colhido. Para ser vendido em mercados locais ou para ser processado, tomates vermelhos são os ideais. Mas para um mercado distante aqueles que apenas começaram a amadurecer são os escolhidos para colheita.

O ponto de colheita de frutas e vegetais depende muito da finalidade dessas mercadorias

Quais frutas/vegetais são mais sujeitas ao etileno?

O crescimento das plantas é muito influenciado por fatores como temperatura, luz solar, chuva, pelos tratos culturais, como fertilização e irrigação, e também pelos fatores hormonais, como o etileno. A resposta a esse fitormônio divide as plantas em duas categorias: as climatéricas e as não climatéricas.

Frutas Climatéricas

São caracterizadas pela maturação após a colheita, porque continuam amadurecendo após serem retiras das árvores, e como parte desse processo aumentam a produção de etileno.

Como exemplo temos maçãs, bananas a abacates, que são colhidos verdes, e podem ser comprados nessas condições, deixando-os para amadurecer em casa.

A maturação pode ser acelerada quando uma fruta climatérica fica em contato com outra climatérica que já está madura, principalmente se estiverem em algum recipiente fechado, assim o etileno de uma estimulará o amadurecimento da outra

Abaixo, veja uma pequena lista de frutos climatéricos:

  • Abacate
  • Abacaxi
  • Acelga
  • Ameixa
  • Banana
  • Brócolis
  • Caqui
  • Damasco
  • Goiaba
  • Jaca
  • Kiwi
  • Maçã
  • Mamão
  • Manga
  • Maracujá
  • Melancia
  • Melão
  • Pera
  • Pêssego
  • Tomate

Frutas Não-Climatéricas

A produção de etileno nessas frutas é muito baixa, porém se houver uma aplicação externa há um aumento na taxa de respiração, proporcional à taxa de etileno.

Esses alimentos devem ser colhidos quando estiverem quase prontos para o consumo, porque após retiradas do pé não vão mais amadurecer, permanecem com as mesmas características químicas, só mudam de aspecto, e ficam mais macias.

Abaixo, veja alguns exemplos:

  • Abóbora
  • Abobrinha
  • Amora
  • Azeitona
  • Berinjela
  • Cacau
  • Caju
  • Carambola
  • Cereja
  • Coco
  • Framboesa
  • Laranja
  • Limão
  • Morango
  • Pepino
  • Pimenta
  • Romã
  • Tangerina
  • Toranja
  • Uva

Outros fatores que afetam a qualidade das frutas e dos vegetais

Espécie

As plantas e, consequentemente seus frutos, são separados em classes de acordo com sua taxa respiratória. Ou seja, alguns frutos e hortaliças, por exemplo o espinafre, quando mantidos em temperatura ambiente, entram em senescência mais rapidamente, enquanto outros, como as nozes, podem levar dias, ou até meses.

Temperatura

A temperatura está profundamente relacionada à taxa respiratória de algumas frutas (em especial as tropicais), aumentando as reações químicas, a oxidação e a ação do etileno, favorecendo a degradação.

As baixas temperaturas fazem diminuir as atividades biológicas das hortaliças, a ação de microrganismos, minimizam a perda de água e retardam o processo de maturação, aumentando o tempo de vida útil.

______________________________

Você sabia?

A temperatura é responsável por aproximadamente 70% de uma boa conservação de frutas e hortaliças.
Fonte: Sociedade Nacional de Agricultura

______________________________

Umidade relativa

A umidade relativa do ar também afeta a qualidade dos produtos. A baixa umidade pode desidratar e murchar os vegetais. Já se for muito alta pode aumentar os problemas com a podridão. A média recomendada é entre 90 e 95% para a maioria das frutas e hortaliças.

Leia mais sobre a diferença entre umidade do ar e umidade relativa do ar

Gases atmosféricos

Baixas concentrações de oxigênio e altas concentrações de dióxido de carbono influenciam a respiração das plantas, danificando os tecidos vegetais, causando danos na aparência, no sabor, aroma e textura, além de aumentar a ação de microrganismos e a fermentação.

Entre os gases que podem afetar a qualidade dos frutos está o etileno, que assim como a taxa de respiração, separa os produtos hortifrutícolas de acordo com a taxa de produção, classificados entre muito alta e muito baixa.

Danos mecânicos

Os danos mecânicos são classificados como deformações, rupturas superficiais, e destruição dos tecidos vegetais causados por forças externas. Esses danos levam à alterações químicas que modificam a cor, sabor, textura e aroma dos vegetais.

Podem ser inferidos por impacto, abrasão, corte e/ou compressão. São irreparáveis e podem reduzir a vida útil dos frutos, causar a desvalorização comercial ou leva-los à perda completa.


Efeitos do etileno no pós-colheita

Já vimos os efeitos do etileno biologicamente nas plantas, mas você sabe quais são os efeitos que as frutas e vegetais podem sofrer no pós-colheita?

Em frutas como banana e abacate, o etileno, quando bem utilizado e controlado, pode trazer efeitos positivos, como o amadurecimento controlado.

Porém, se não forem tomados os devidos cuidados pode-se haver muitas perdas, tanto de qualidade, quanto financeiras, causando enormes prejuízos. Alguns desses efeitos são:

  • Amarelamento e perda das folhas
  • Manchas escuras
  • Amargor no sabor
  • Perda de sabor
  • Perda da firmeza, amolecimento
  • Endurecimento em alguns vegetais, como aspargos
  • Aparecimento de brotos
  • Crescimento de fungos e bactérias
  • Aumento da suscetibilidade de apodrecimento
  • Em pepinos e hortaliças folhosas causa a perda de clorofila e da cor verde
  • Para grande parte das hortaliças, o efeito do etileno é quase sempre prejudicial
Frutas apodrecidas, amolecidas e com fungos

Porquê conservar as frutas, verduras e hortaliças?

Manter a qualidade no pós-colheita

Esse assunto é de grande interesse dos produtores, devido ao aumento das produções e, principalmente, o aumento da demanda e do consumo de frutas e vegetais, por isso deve-se aproveitar o máximo possível dos resultados das colheitas,

Mas deve-se ficar atento, pois os vegetais, mesmo após colhidos, ainda são produtos vivos! Logo, suas mudanças químicas não param de acontecer. 

E é sempre bom lembrar que os procedimentos realizados no pós-colheita não aumentam a qualidade do produto, pois essa qualidade é um reflexo de tudo o que ocorreu durante todos os processos, do plantio à colheita.

As medidas tomadas no pós-colheita apenas mantém a qualidade desses alimentos e evitam a deterioração.

Evitar prejuízos

Mesmo que as perdas pareçam pequenas e insignificantes no início, ao longo dos anos esse prejuízo transforma-se em uma soma gigantesca, que pode ser evitada com um pouco de conhecimento e investimento.

Além do prejuízo financeiro também há o desperdício desses alimentos, o que muitas vezes ocorre por má-conservação, descuido ou falta de conhecimento em medidas eficientes para diminuir esses estragos.

______________________________

Você sabia?

Estima-se que, mundialmente, entre a colheita e a mesa dos consumidores, há uma perda de 40% das frutas, vegetais e hortaliças produzidos.
Fonte: Food and Agriculture Organization

______________________________

Além do prejuízo à competitividade agrícola, essas perdas seriam suficientes para alimentar milhares e milhares de pessoas.

Manter uma boa relação com os clientes

A presença de alimentos estragados em meio aos sãos pode causar uma péssima impressão aos clientes, principalmente os internacionais, que podem ver isso como uma falta de preocupação e cuidado com a mercadoria, ainda mais por ser um problema tão fácil de ser prevenido. 

Sabemos o quanto é difícil achar, e manter, bons clientes hoje em dia, principalmente internacionalmente. Por isso é preciso ter o máximo de cuidado ao enviar produtos, pois além de perder dinheiro, e perder clientes, a imagem da sua empresa pode ficar manchada no processo.


Agora que você já sabe a relação do etileno com o amadurecimento de frutas, hortaliças e vegetais, não precisa mais deixar esse hormônio danificar as suas mercadorias.

No próximo post mostraremos as melhores opções na hora de proteger os produtos hortifrutícolas.

COMPARTILHE:
Fechar Menu